Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Deputado quer definição de quem poderá integrar cadastro da agricultura familiar

O governo federal precisa definir melhor quem poderá ou não integrar o Cadastro Nacional da Agricultura Familiar, cobrou nesta quinta (13) o deputado Heitor Schuch (PSB-RS), em audiência na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, da Câmara dos Deputados.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

“Hoje temos o risco de credenciar pessoas que não estão na terra, que não estão produzindo, mas que têm a terra, têm titulo e têm outra profissão”, disse, na audiência para debater o Decreto nº 9.064, que dispõe sobre a Unidade Familiar de Produção Agrária e institui o Cadastro Nacional da Agricultura Familiar (CAF). O deputado é o autor do requerimento para a audiência.

O CAF substitui a Declaração de Aptidão ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (DAP). Atualmente a Lei 11.326/2006 estabelece que os beneficiários de políticas públicas voltados para agricultura familiar não possuam, por exemplo, terras com área maior que quatro módulos fiscais (medida que varia de acordo com a região), que utilize predominantemente mão de obra da própria família nas atividades econômicas do seu estabelecimento ou empreendimento, entre outras regras.

“Temos que garantir que esse segmento que temos hoje com o enquadramento atual seja contemplado. O que se percebe, com a mudança, e com a publicação do decreto, é que a lei ficou frágil e pode abrir para aqueles que inclusive não fazem parte da categoria tenham acesso ao crédito rural”, alertou Schuch. Ele defendeu que o governo dialogue com entidades representativas do setor e defina melhor o enquadramento dos agricultores familiares.

“O cadastro é a identificação, a carteira de identidade do agricultor para chegar no sistema financeiro, na assistência técnica”, disse, acrescentando que “a questão de enquadramento é fundamental para garantir que o agricultor tenha acesso a políticas públicas”.

Segundo o deputado, a partir das conversas com o setor, o próprio governo poderá alterar o decreto ou mesmo enviar um novo projeto de lei para o Congresso Nacional, caso julgue necessário.

Na audiência pública, o coordenador-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultural Familiar do Brasil, Marcos Rochinski, defendeu também que o setor seja ouvido e que o governo esteja atento à situação dos mais frágeis, como os indígenas e quilombolas.

O subsecretário em exercício da Secretaria Especial da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, José Carlos Zukowski, disse que convocará as entidades representativas para dialogar sobre a conformação do cadastro e, sobre indígenas e quilombolas. “Todos estarão incluídos no cadastro. Hoje já estão incluídos na DAP. Isso vai ser preservado, apenas teremos um instrumento mais moderno”, disse.

Segundo ele, ainda não há data para a primeira reunião com o setor e nem expectativa para o lançamento do cadastro. Ele disse, no entanto, que será “o mais rápido possível”.

De acordo com dados do portal da Câmara dos Deputados, a agricultura familiar é responsável por 70% dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros, com destaque para produtos como mandioca, feijão, milho e café. São mais de 4 milhões de estabelecimentos familiares no país, que juntos respondem por 38% do Produto Interno Bruto Agropecuário, o equivalente a R$ 54 bilhões por ano. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm