Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Sul-coreanos vão às ruas pelo 7º fim de semana após aprovação do impeachment

Os sul-coreanos voltaram às ruas no fim de semana para dizer que o impeachment não é tudo que querem. A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, teve seu processo de impeachment aprovado pelo Parlamento na semana passada.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

O processo de impeachment de Park foi aprovado pela Assembleia Nacional na sexta-feira por 234 votos a favor e 56 contra, 7 nulos e 2 abstenções. Ele superou as expectativas à medida que a pressão popular aumentava na Assembleia unicameral, especialmente dentro do próprio partido de Park, que a pressionou a deixar o cargo.

Eleitores enviaram milhares de mensagens de texto, chamadas “bombas de texto”, para que os legisladores não hesitassem em votar a favor do impeachment, paralisando alguns smartphones. As manifestações arrancaram os votos de sim do Partido Saenuri.

Quase metade dos 128 legisladores do partido no poder votaram a favor do impeachment na sexta-feira.

“O impeachment não é o fim. É apenas o começo, “disse um homem de 73 anos que não quis ser identificado. Ele falou em uma praça no centro de Seul, onde participou de todas as manifestações nos fins de semana desde que o escândalo presidencial surgiu em outubro.

A sétima vigília de velas foi realizada na praça Gwanghwamun, a pouco mais de um quilômetro da Casa Azul Presidencial, onde estão localizados o gabinete e a residência de Park.

Park mantém o título de presidente, mas está afastada de todo o Poder Executivo, que agora está nas mãos do primeiro-ministro Hwang Kyo-ahn. Seu afastamento permanente requer a aprovação da medida por dois terços do Tribunal Constitucional, formado por nove juízes, que têm até 180 dias para deliberar sobre a saída definitiva da presidente.

“É apenas o começo. A decisão do tribunal permanece, os cidadãos devem continuar a ir às ruas”, disse Kim Su-bin, uma estudante universitária de 22 anos.

Ela está preocupada com as incertezas deixadas até que uma conclusão final seja alcançada para retirar permanentemente a presidente do cargo, dizendo que é hora de as pessoas manifestarem seu poder.

O que as pessoas na ruas querem é a a chegada da “Primavera de Seul”, em que a primavera implica o início de uma nova era.

Na história moderna, os sul-coreanos viram suas esperanças de uma nova era serem roubadas por ditadores militares.

Em 1960, o ex-presidente Rhee Syngman, o primeiro presidente do país, renunciou diante das manifestações populares contra seu governo corrupto e autocrático, aumentando a esperança de uma nova era.

A esperança foi destruída cerca de um ano depois, quando o ex-presidente Park Chung-hee assumiu o poder em um golpe militar. O pai da presidente Park Geun-hye foi assassinado em 1979, terminando a ditadura de 18 anos e desencadeando manifestações em massa para inaugurar uma nova era.

A segunda esperança foi interrompida novamente quando as manifestações terminaram com um massacre na cidade de Gwangju, no Sudoeste do país, comandado pelo ex-presidente Chun Doo-hwan, que usurpou o poder em um golpe militar em 1979.

“O círculo vicioso da história deve ser interrompido”, disse o homem de 73 anos. Ele afirma que a consciência cívica deve deter todas as tentativas de repetir o ciclo vicioso.

A estudante, de 22 anos, disse que sentiu forte solidariedade nas recentes vigílias à luz de velas, acrescentando que confiar um no outro é a única maneira de ganhar impulso nas ruas. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm