Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

CCJ da ALMG recomenda que não se autorize processo contra governador Fernando Pimentel

ccj_almg111116
Em reunião realizada na sexta-feira (11), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) aprovou parecer que não autoriza processo judicial contra o governador Fernando Pimentel. O pedido de autorização veio do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por meio de ofício que trata da admissão da acusação contra o governador Fernando Pimentel em ação penal naquela corte.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

A aprovação do parecer, de autoria do deputado Rogério Correia (PT), aconteceu após cinco horas e meia de debates entre parlamentares da oposição e da bancada governista. Foram rejeitados requerimentos da oposição para votação nominal, retirada do ofício da pauta e adiamento de votação. A cada requerimento votado, a oposição se valeu das regras regimentais para se pronunciar, prolongando a reunião.

Coube ao deputado Bonifácio Mourão (PSDB) iniciar o processo de obstrução conduzido pela bancada de oposição. O deputado argumentou que impedir a abertura de processo judicial contra o governador é um desrespeito ao artigo 92 da Constituição Estadual, que, em sua interpretação, não prevê necessidade de autorização legislativa para admissão de denúncia contra o chefe do Executivo em caso de crime comum.

Mourão lembrou que, em toda a história brasileira, apenas o Estado de Rondônia autorizou processo contra o governador, mesmo assim porque ele estava rompido com os parlamentares. “Isso é a consagração da impunidade para o governador”, afirmou o deputado oposicionista. Logo em seguida, suas palavras foram endossadas pelo deputado Felipe Attiê (PTB), que classificou de “pizza” o rito adotado pela ALMG para votar o ofício do STJ.

O líder do Governo, deputado Durval Ângelo (PT), afirmou que o comportamento da oposição sugere que ela procura prolongar o processo de votação do ofício do STJ a fim de desgastar Pimentel. Ele argumentou que o rito de votação da matéria foi definido pela Mesa da Assembleia, onde a oposição está representada, e foi aprovado por unanimidade.

O líder governista afirmou que, em todos os casos de pedido de autorização para processar chefes de Executivo já ocorridos no Brasil, sempre se definiu que ela só aconteceria se aprovada por dois terços da casa legislativa. O deputado Bonifácio Mourão negou que a oposição tenha intenção de protelar a votação do parecer, mas quer apenas garantir o cumprimento da legislação e do Regimento Interno da ALMG, além de conhecer a integralidade das acusações contra o governador.

Detalhes de delação podem ser divulgados a deputados
Durante a reunião da CCJ, o presidente da comissão, deputado Leonídio Bouças (PMDB), anunciou que o STJ informou à Assembleia que o termo de colaboração premiada relacionado ao processo envolvendo o governador Fernando Pimentel pode ser divulgado aos parlamentares, “embora isso não seja necessário” para a decisão sobre a autorização legislativa para a continuidade do processo.

A resposta do STJ veio a partir de um questionamento do deputado Sargento Rodrigues (PDT), que, assim como outros deputados da oposição, argumentam que não podem decidir sobre o pedido do STJ sem conhecer detalhes da acusação que não foram divulgados. A dúvida era se essa divulgação poderia violar o segredo de Justiça decretado pelo Poder Judiciário sobre o processo.

A exigência da oposição foi repetida por diversos de seus deputados na sexta-feira (11) na CCJ. “Queremos acesso às provas. Aí vamos votar”, afirmou o deputado Bonifácio Mourão. Ele lembrou que, na sexta (11), foi publicada notícia de que o governador Fernando Pimentel foi denunciado pela segunda vez, pela Procuradoria-Geral da República, acusado de corrupção passiva. “Como vamos votar nessa situação?”, questionou, voltando a cobrar a divulgação da integralidade da primeira denúncia.

O relator designado na CCJ, deputado Rogério Correia (PT), salientou que o papel da Assembleia é examinar a admissibilidade do recebimento da denúncia pelo STJ, não o teor da acusação. “O papel do Poder Legislativo é muito diferente do Judiciário”, argumentou.

Provas – Já o líder da Minoria, deputado Gustavo Valadares (PSDB), questionou o argumento da defesa do governador de que o processo contra ele apresenta irregularidades, como provas obtidas de forma ilícita. “O advogado tenta há um ano e meio mostrar que a operação é ilegal, e não conseguiu”, afirmou. Gustavo Corrêa (DEM) também criticou o argumento da defesa. “Quem não deve, não teme”, desafiou Corrêa.

O deputado Sargento Rodrigues ressaltou que a gravidade das acusações contra o governador Pimentel não permitem adiar o processo judicial para depois do final de seu mandato. “O governador é acusado de ter recebido R$ 45 milhões. Só da (empresa) Caoa teriam sido R$ 20 milhões”, exclamou.

Ao final da discussão, foram também rejeitadas duas propostas de emendas. O presidente Leonídio Bouças afirmou que uma delas mudava o teor do parecer, enquanto outra suprimia parte de sua fundamentação, o que não seria regimentalmente aceitável. Bouças também afirmou que um substitutivo, de autoria do deputado Bonifácio Mourão, seria aceito como voto em separado. Felipe Attiê também votou contra o parecer.

Decisão definitiva será votada em Plenário
O rito definido pela Mesa da Assembleia para a votação do ofício do STJ determina que, com a aprovação do parecer da CCJ, ele será publicado e remetido ao Plenário, onde será lido, distribuído em avulsos (cópias) para os deputados e, em seguida, apreciado.

Abre-se então o prazo para discussão em Plenário, que é de seis reuniões. Ou seja: se o parecer ficar em pauta por seis reuniões, ordinárias ou extraordinárias, a discussão é encerrada e inicia-se o processo de votação. Na discussão, cada orador dispõe de até dez minutos para se pronunciar sobre a matéria.

O quórum mínimo para votação é de 52 deputados (dois terços da Assembleia). Considerando-se que o parecer é pela não autorização ao STJ, é necessário um mínimo de 52 votos contrários para derrubá-lo, ou seja, aprovar a autorização. Encerrada a votação em Plenário, a Assembleia encaminhará o resultado ao STJ em até dois dias. Com Portal ALMG

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm