Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

FMI prevê queda de 1% da economia brasileira em 2015

nobeleconomia
O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu as projeções para a economia brasileira em 2015. Em documento divulgado, o órgão estima que o Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) cairá 1% neste ano, ante projeção anterior de crescimento de 0,3%. O FMI, no entanto, elogiou o ajuste fiscal prometido pela equipe econômica.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook     Siga o Portal GRNEWS no twitter

Para 2016, o fundo prevê crescimento de 0,9%, menos que a estimativa de 1,5% apresentada anteriormente. As projeções constam da revisão do Artigo 4 de Consulta com o Brasil, documento elaborado após a visita anual dos técnicos do FMI ao país. Os números servem de subsídio às discussões do quadro de diretores do órgão.

Além de revisar para baixo as projeções para o PIB, o FMI elogiou o ajuste fiscal prometido pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. A equipe econômica pretende que o superávit primário – economia de recursos para pagar os juros da dívida pública – chegue a 1,2% do PIB, em 2015, e a pelo menos 2% ao ano, a partir de 2016.

Para o FMI, caso seja bem-sucedido, o ajuste fiscal ajudará o país a fortalecer as políticas macroeconômicas e recuperar a credibilidade perante os investidores privados. “A implementação determinada dessas medidas deve ajudar a restaurar a confiança e promover a recuperação do crescimento e do investimento no tempo devido”, destacou o documento.

A desaceleração da economia brasileira nos últimos anos, avalia o fundo, é resultado do esgotamento do modelo de estímulo ao consumo, promovido pelo crescimento da renda dos trabalhadores e pelo cenário internacional favorável durante boa parte da última década. A deterioração do ambiente de negócios e a queda do preço das commodities (bens primários com cotação internacional), principal tipo de produto exportado pelo Brasil, pioraram as perspectivas para o país.

“O investimento tem sido lento, refletindo a erosão da competitividade, a piora do ambiente de negócios e os baixos preços das commodities. O consumo também arrefeceu, apesar de fortes ganhos salariais, enquanto a criação de empregos parou e as condições financeiras ficaram mais apertadas, afetando a renda doméstica das famílias e a confiança dos consumidores”, ressaltou o FMI.

Em relação à alta da inflação, o documento considera que a liberação de preços administrados, principalmente energia e combustíveis, que ficaram controlados nos últimos anos, provocou o movimento. A desvalorização do real nos últimos meses também contribuiu para o aumento dos preços.

Na próxima semana, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, participará da reunião de primavera do FMI, em Washington. Além de defender o aumento da participação dos países emergentes nas cotas do organismo internacional, o ministro aproveitará a viagem para defender o ajuste fiscal e promover as concessões de infraestrutura a investidores estrangeiros. Segundo o Ministério da Fazenda, está previsto um encontro privado entre Levy e a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm