Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Divulgada resolução que orienta atendimentos às grávidas usuárias de drogas e bebês

As secretarias de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac) e de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese) divulgaram uma Resolução Conjunta para orientar os Serviços Públicos de Atendimento às mulheres e adolescentes usuárias de crack e outras drogas e a seus filhos recém-nascidos.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Produto de estudos e discussões entre o Governo de Minas Gerais, a Defensoria Pública e outras instituições, a resolução foi divulgada no seminário “A construção da rede de atenção às mulheres e adolescentes usuárias de álcool e outras drogas e seus filhos recém-nascidos”.

É uma orientação aos profissionais de saúde sobre o procedimento adequado diante das Recomendações nº05/2014 e 06/2014 da 23ª Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Belo Horizonte e da Portaria Nº 3 da Vara Cível da Infância e Juventude.

Essas recomendações e a portaria determinam que profissionais das Unidades Básicas de Saúde (UBS) e das maternidades públicas comuniquem ao poder judiciário os atendimentos voltados para as mulheres grávidas ou em trabalho de parto e que sejam usuárias de substâncias psicoativa, estejam em situação de rua ou de vulnerabilidade.

Como o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) prevê em seu artigo 19 que deve ser dada preferência à família extensa em casos nos quais a família principal não tenha capacidade protetiva, o acolhimento institucional é compreendido como uma medida excepcional e provisória. Porém, a partir destas recomendações o número de abrigamentos de recém-nascidos cresceu consideravelmente.

“Na prática, os filhos estão sendo tomados de suas mães. A medida criou um ambiente autoritário em que as crianças são retiradas da família nuclear. As afetadas são, principalmente, as mulheres pobres e negras. A situação atual está retirando o direito à maternidade e o direito à escolha dessas mulheres. Além disso, está condenando essas crianças a uma situação de orfandade”, explica a defensora pública especializada em Direitos Humanos, Coletivos e Socioambientais, Júnia Ronan Carvalho.

Crianças abrigadas
Dados da Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais apontam que até o mês de agosto de 2015 ocorreram 179 pedidos de famílias extensas para rever a guarda das crianças abrigadas. O número demonstra que as famílias extensas em geral têm interesse e capacidade protetiva, mas não têm conseguido, em muitos casos, reaver suas crianças.

Segundo Nilmário Miranda, secretário de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac), a Constituição Federal de 88 foi formulada como um projeto de nação e, para tal, garantia direitos sociais básicos como previdência, saúde pública, assistência social e educação.

“Porém, esses direitos estão sofrendo ameaça em diversas frentes. Em um período complicado da história do país é preciso resistir. E esse é o principal objetivo da resolução conjunta possibilitar a resistência com discussão pública e com organização da sociedade. Não vamos permitir nenhum direito a menos, e a maternidade, a proteção à infância é nosso dever e nosso direito”, diz o secretário.

Já a subsecretária de Políticas e Ações de Saúde da SES-MG, Maria Turci, ressalta a importância da resolução para orientar os profissionais que atendem às mulheres. “O principal objetivo é orientar o trabalhador. Mostrar como acessar a rede de proteção para articular o atendimento humanizado às mulheres e seus filhos. Impedindo que esse vínculo seja cortado”.

A profissional de Saúde Mental de Belo Horizonte e integrante do Fórum Mineiro de Saúde Mental, Soraia Marcos, afirma que a situação atual tem provocado à violação dos direitos de muitas mulheres e crianças. “Não podemos permitir que o encarceramento, a criminalização e a diminuição dos direitos aconteçam em nossa cidade sem enfrentar e resistir”, diz.

Rede de proteção
Conforme a Coordenadora Especial da Política Pró-criança e adolescente da Sedpac, Célia Carvalho Nahas, a orientação conjunta esclarece que a circunstância de ser usuária de droga não obriga o encaminhamento do bebê para as autoridades. “Pelo contrário, toda situação de vulnerabilidade da mulher e da criança deve ser discutida intersetorialmente. E, se não há relato ou constatação de violência, negligência ou maus-tratos, a mãe e o bebê devem permanecer juntos”, ressalta.

“Porém, ocorrendo situações em que é necessário aplicar medidas de proteção, a alta hospitalar será acompanhada de encaminhamento ao Conselho Tutelar, ou ainda, em última análise, para que o próprio Conselho realize a comunicação ao Poder Judiciário. Ou seja, em tais situações extremas o Conselho Tutelar deve ser acionado primeiro”, explica Célia.

A subsecretária de Assistência Social, Simone Aparecida Albuquerque, defende que o mais importante é proporcionar a todas as gestantes e mães acesso integral a rede de proteção. “A resolução é importante para garantir uma rede de proteção a essas famílias. Isso porque, articula os serviços de saúde, a assistência social e a comunidade”, afirma.

De acordo o coordenador de saúde mental da SES-MG com Humberto Verona, a resolução é um símbolo de resistência de todas as mulheres. “É imprescindível que os direitos sejam resguardados em todo o processo de gravidez e, sobretudo, após o nascimento”, completa. Com Agência Minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm