Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Uso de bicicleta pode reduzir gastos do SUS em mais de R$ 34 milhões somente em SP


A expansão do uso da bicicleta poderia reduzir os gastos com saúde pública e até impulsionar a economia da capital paulista, segundo estudo do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap). A Pesquisa de Impacto do Uso da Bicicleta na Cidade de São Paulo estimou em R$ 34,4 milhões por ano a economia que o Sistema Único de Saúde (SUS) teria com a redução das internações por problemas no aparelho circulatório e diabetes, se o transporte ativo por duas rodas fosse usado no máximo do seu potencial.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Para fazer a estimativa, o estudo avaliou o percentual de viagens de ônibus e de carro que poderiam ser substituídas por trajetos de bicicleta. São as viagens pedaláveis ou facilmente pedaláveis, deslocamentos de até 8 quilômetros realizados entre as 6h e as 20h por pessoas de, no máximo, 50 anos. Se enquadram nessa categoria, 31% dos deslocamentos feitos por ônibus, meio de transporte usado em 35% do total de viagens na cidade de São Paulo; e 43% dos feitos por automóvel, transporte usado em 31% dos deslocamentos na capital. O restante, 34% das viagens, é feito por meios menos poluentes, como o metrô, ou com a combinação de mais um modo de transporte.

A partir do uso da bicicleta, seria possível, segundo o estudo, reduzir o fator de risco da falta de atividade física para aparecimento de diabetes e doenças cardiovasculares. Pessoas que não praticam atividades físicas têm o dobro de chances de ter um infarto do que os que fazem exercícios regularmente. Enquanto para hipertensão e diabetes, a chance é 50% maior em comparação dos mais sedentários em relação aos que mantém atividades com frequência.

Com isso, foi estimada uma economia de 13% nos R$ 255,2 milhões gastos anualmente pelo SUS no município com tratamento de doenças do sistema circulatório. Em relação à diabetes, a redução potencial ficou em 8% dos R$ 6,2 milhões usados para remediar complicações causadas pela doença.

Economia
A substituição dos carros e ônibus pela bicicleta traria ainda, de acordo com a pesquisa, uma série de impactos positivos sobre as riquezas produzidas pela cidade, medidas pelo Produto Interno Bruto (PIB). Os ganhos viriam da redução do tempo de deslocamento e da diminuição de gastos com transporte, levando o dinheiro economizado para outros produtos e serviços. Somente a diminuição dos congestionamentos poderia elevar em 0,035% o PIB municipal, injetando R$ 225 milhões na economia da cidade.

O ganho de tempo com a substituição dos deslocamentos de ônibus por bicicleta representaria, segundo a pesquisa, um ganho de R$ 623 milhões por ano, além dos R$ 18,7 milhões que deixariam de ser perdidos com o tempo economizado com as viagens de carro. De acordo com a pesquisa, ao usar a bicicleta, o passageiro dos coletivos deixam de passar, em média, 19 minutos por dia no trânsito, e para os motoristas de automóveis o ganho de tempo é de cerca de 9 minutos diários.

Dificuldades
Os deslocamentos por bicicleta ainda enfrentam, entretanto, uma série de entraves na capital paulista. A diretora da Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo (Ciclocidade), Aline Cavalcante, destacou que é necessário ampliar a infraestrutura voltada para o meio de transporte. “Os ciclistas iniciantes demandam mais por infraestrutura do que os que já são experientes. Então, para estimular o uso da bicicleta, em especial entre os que estão começando a fazer transição de modal, é necessário ter infraestrutura cicloviária”, ressaltou, em entrevista à Agência Brasil.

Além disso, Aline destaca a importância de que a malha cicloviária da cidade continue a ser expandida. “Hoje, o maior problema do ciclista urbano é como atravessar os rios”, diz a ciclista sobre a falta de conexões entre as ciclovias enfrentada em algumas partes da cidade. “Hoje, não tem bem uma rede formada. A gente tem ciclofaixas espalhadas pela cidade”, enfatiza.

Os problemas de planejamento são, inclusive, de acordo com a ativista, um dos entraves para o aproveitamento das vias específicas. “Muitas vezes, aquela infraestrutura não está sendo utilizada, ou porque não é o melhor local para bicicleta, porque tem muita subida e tem uma alternativa mais plana; ou porque não está conectada com a rede”, analisa.

A expansão da malha cicloviária tem que vir, segundo a diretora da associação, acompanhada de outras medidas que tornem a circulação mais amigável para as bicicletas, como a diminuição dos limites de velocidade nas ruas e avenidas. “O acalmamento do tráfego seria reduzir a velocidade nas vias urbanas. Isso é uma política global para reduzir o número de mortes de pedestres e ciclistas”, acrescenta.

Esse processo de mudança na lógica do transporte leva tempo, ressalta Aline. Por isso, a importância de estabelecer projetos de curto, médio e longo prazo para melhorar a mobilidade na metrópole. “Eu diria que políticas públicas para se mudar uma cultura como a gente teve no Brasil, nos últimos 50 anos, tem que se pensar por aí, uns 50 anos”. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm