Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Ministro diz que depende de contribuições para aprimorar portaria sobre trabalho escravo

Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, disse no Congresso Nacional, que está aberto ao diálogo com quem queira contribuir para o aprimoramento do texto da portaria que estabeleceu novas regras para a caracterização do trabalho análogo ao escravo (Portaria 1.129/2017).

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Publicada no dia 16 de outubro, a portaria está suspensa desde o dia 24 de outubro, por decisão liminar (provisória) da ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF).

O ato administrativo também contém novas normas sobre a atualização e divulgação do cadastro de empregadores que submeteram trabalhadores a tal condição, a chamada lista suja do trabalho escravo, e para a concessão de seguro-desemprego a quem for resgatado por fiscais do Ministério do Trabalho.

“Estamos trabalhando no sentido de aprimorar a portaria”, declarou o ministro ao participar de duas audiências públicas para tratar do tema. A primeira, realizada pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público, da Câmara dos Deputados, e a outra, organizada pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado.

“O que não dá é para cada um ter uma interpretação do que é trabalho escravo. Precisamos nos unir para, independentemente do espectro político, visão de mundo ou de sociedade, sentarmos à mesa em busca do consenso”, acrescentou Nogueira.

Mesmo reconhecendo a natureza controversa do tema, o ministro declarou, na Câmara, que a publicação da portaria foi um “ato discricionário” ministerial, ou seja, um ato legal, cujo objetivo é permitir o cumprimento de uma política pública, no caso, o combate ao trabalho análogo ao escravo. E que, segundo Nogueira, atende às demandas da própria sociedade.

“A consultoria jurídica do Ministério do Trabalho deu parecer favorável quanto à legalidade da portaria e o ministro observou o princípio da conveniência da iniciativa, que oferece segurança jurídica às ações dos auditores-fiscais do trabalho; dá maior clareza à interpretação do que seja trabalho análogo ao escravo e traz para o processo administrativo provas que deem maior robustez a um inquérito criminal que leve o escravocrata à cadeia”, pontuou o ministro, defendendo a importância de que a Polícia Federal ou as polícias estaduais acompanhem as ações fiscalizatórias.

Segundo o ministro, desde o primeiro governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995/2003) até o último levantamento, cerca de 33 mil trabalhadores foram identificados como tendo sido submetidos à condição semelhante à de escravo. Apesar disso, não há, segundo o próprio ministro, nem uma única pessoa presa por ter produzido ou contribuído para tal quadro.

“Diante disso, a quem interessa que não seja lavrado um boletim de ocorrência para que, além da abertura de um processo administrativo, seja instaurado também um inquérito criminal? Nossa intenção é que a polícia acompanhe a ação e possa abrir um inquérito criminal para levar o escravocrata à responsabilização penal”, explicou o ministro, respondendo às várias críticas à portaria.

No Senado, Paulo Paim (PT/RS), um dos autores da proposta de realização da audiência, pediu ao ministro para revogar a portaria e encaminhar o tema para ser discutido no Congresso. Já o deputado federal Paulão (PT/AL), enfatizou que o Brasil vinha avançando no combate ao trabalho análogo à escravidão graças aos instrumentos legais já existentes. “Revogar o que era uma referência para o mundo todo, substituindo-o por esta portaria, é um sinal de que o Brasil está em um processo de regresso civilizatório”, disse o parlamentar.

O ministro rebateu as críticas de que o governo federal esteja dificultando a fiscalização do trabalho análogo à escravidão. Segundo Nogueira, o que houve foi uma reorganização da atuação dos fiscais para fazer frente ao contingenciamento de recursos financeiros, que atingiu todos os ministérios. De acordo com o próprio ministro, o total anual de operações fiscais vem caindo ano após ano desde 2013, assim como o de auditores-fiscais do trabalho caiu de 3.285, em 1990, para 2.373 esse ano. Ainda assim, o ministro assegura que a efetividade das operações tem sido maior. “Fizemos mais com menos, com melhor eficiência e mais eficácia.”

Nogueira ainda disse que não há nenhuma interferência do gabinete ministerial no julgamento dos processos administrativos e na divulgação da chamada lista suja. “A lista com as 131 empresas cujos processos administrativos já foram concluídos está divulgado no site do ministério e não há qualquer hipótese da portaria prejudicar a divulgação”.

O procurador do Trabalho e membro da Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae), Maurício Ferreita Brito, disse desconhecer os números apresentados pelo ministro, a quem criticou por não ter discutido o teor da portaria com a comissão antes de publicá-la. “As instituições que compõem a Conatrae tomaram um susto no dia em que esta portaria foi publicada. Embora a comissão esteja vinculada ao Poder Executivo e tenham um amplo foro de debate, o ministro nunca compareceu a uma reunião. Não houve em momento algum a possibilidade de discutirmos a portaria e até hoje queremos saber quem a escreveu”, questionou o procurador. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm