Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Seu Jorge vai além do samba em novo disco

seujorge
Seu Jorge é um tipo raro de artista que transita com a mesma mobilidade entre o sofisticado e o popular, entre a periferia e a Zona Sul do Rio de Janeiro. Cantor de sucesso, ator com carreira internacional (já participou de 16 longas-metragens), e com história de vida comovente, o ex-líder da banda Farofa Carioca, que surfa em gêneros como samba, funk e MPB, é festejado também pela mídia e pelo mercado da música. É talentoso, tem carisma e dá retorno.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook     Siga o Portal GRNEWS no twitter

Seu Jorge deu mais uma “dentro” com o lançamento do segundo CD que faz parte da trilogia “Músicas Para Churrasco” (Universal Music), iniciada em 2011 com o álbum puxado por faixas como “A Doida” e “Amiga Da Minha Mulher”.

Os desavisados que ouviram o “Músicas Para Churrasco Vol.2“ , certamente ficaram com uma interrogação na cabeça. As canções, todas inéditas, quase nada tem a ver com o samba, gênero predominante nos últimos trabalhos do cantor. Os novos arranjos remetem à soul music nacional dos anos 70, com fortes influências de Gerson King Combo, Tim Maia, Carlos Dafé e Tony Bizarro. A única faixa do novo trabalho que flerta (de leve) com o samba é “Mina Feia” – que começa com uma pegada black music e vai se transformando num samba rock arrastado.

As faixas de “Músicas Para Churrasco Vol.2″ seguem uma espécie de roteiro que dá continuidade ao volume 1 da trilogia. “Trata-se de uma obra totalmente conceitual, na qual eu criei uma atmosfera quase que cinematográfica. A trilogia conta a história de uma vila, onde todo mundo se conhece e se reúne para fazer um churrasco”, comenta Seu Jorge, que concebeu os personagens da trama através de canções. No volume 1, “nasceu” a “Amiga Da Minha Mulher”, a “Doida” e o “Meu Parceiro”. No mais recente, o artista apresenta a “Bipolar”, o “Motoboy” e a “Mina Feia”. “Já estou compondo algumas canções (sozinho ou com parceiros como Gabriel Moura) para o volume 3. Tenho uma faixa pronta que fala sobre o cara que tá ‘bebão’ e ‘vê’ a chuva cair pra cima. Está bonecão do posto”, diverte-se.

Como novidade, o álbum em fase de lançamento terá a distribuição em vinil, embora Seu Jorge não seja adepto da mídia. Apesar de entender a importância do bolachão em se tratando de benefícios sonoros e da excepcional qualidade gráfica da capa, o artista diverte-se dizendo que o produto só serve para ocupar espaço na estante. “Só os jornalistas e colecionadores gostam de vinis. Eles enchem a prateleira de LPs e ficam sentado na poltrona, olhando para a coleção, felizes da vida”, brinca o cantor.

Atualmente morando em Los Angeles (EUA), Seu Jorge tem contato com um mercado muito diversificado de música, que ele acessa via streaming. O artista sabe da importância da música digital, mas mesmo assim ainda aposta no CD físico para divulgar seu trabalho. E justifica: “Apesar da minha música atingir o público A e os moderninhos, também tenho fãs nas classes menos abastadas. E, verdade seja dita, as regiões norte e nordeste têm pouco acesso à internet. Por isso ainda acredito na importância da mídia física. Mas tenho aproveitado para falar ao público sobre as ferramentas digitais – durante meus shows. Porém não adianta apenas catequizar o consumidor. O governo precisa prestar atenção nisso e oferecer condições para termos uma banda larga acessível e de qualidade”, completa ele.

No Brasil, Seu Jorge costuma se apresentar nas principais capitais e seus shows normalmente acontecem em casas voltadas ao público com melhor poder aquisitivo. Embora tenha nascido em uma favela da Baixada Fluminense (Rio de Janeiro), o cantor não se apresenta há muito tempo em uma comunidade carente. Mas não é por preconceito. Ele tem suas razões e afirma que foi muito difícil ser catapultado do gueto para o mundo. “Não toco em favela. Custei muito a sair de lá. Cansei de levar porrada de policial, de viver num lugar com esgoto a céu aberto. As pessoas podem ser felizes lá por causa das relações que criam, da família. Mas não é bom morar em favela. Não toco porque não quero dar tapinha nas costas de traficante e de miliciano. Tocaria numa comunidade pacificada, mas nunca fui convidado“, diz, sem papas na língua. Com Portal Sucesso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm