Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Especialistas defendem controle social como ferramenta de combate à corrupção

O controle social é um dos mais importantes instrumentos no combate à corrupção, segundo especialistas que participaram na quarta (5) de evento sobre o Dia Internacional de Combate à Corrupção, comemorado no próximo sábado (9), na sede do Ministério Público Federal em São Paulo (MPF/SP).

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

“Além de um direito previsto na Constituição, [o controle social] acaba sendo uma necessidade. A corrupção é bastante capilarizada em vários municípios. Existe uma corrupção de varejo, aquela que é praticada no dia a dia por vários agentes públicos e existe uma insuficiência de capacidade dos órgãos de controle de dar conta de tudo isso”, disse o coordenador do Núcleo de Ações de Prevenção da Controladoria-Geral da União (CGU) em São Paulo, Márcio Sobral.

Segundo ele, a sociedade é a grande parceira dos órgãos de controle no combate à corrupção. “A ideia da CGU e de vários órgãos de controle é fomentar e dar instrumentos para que a sociedade possa se organizar e se articular para fazer esse papel”. Essa participação pode estar tanto na fiscalização dos recursos públicos quanto no acompanhamento dos gastos de governo, com a sociedade dizendo onde e como o dinheiro público deve ser gasto. “O beneficiário do serviço público é quem pode dizer se este serviço está sendo ou não executado e se há insuficiência de recursos. O papel do cidadão é muito importante para ajudar a identificar e comunicar os órgãos de controle a atuarem”, acrescentos Sobral.

Desperdício e desvio
Com a fiscalização de editais em diversas prefeituras, o Observatório Social do Brasil, uma das instituições da sociedade civil que se dedica a acompanhar a aplicação dos recursos públicos, conseguiu evitar que mais de R$ 1,5 bilhão fossem gastos nos anos de 2014, 2015 e 2016 de maneira inadequada ou que fosse utilizada para a corrupção. Em uma dessas fiscalizações, de um edital de uma prefeitura no Paraná, a entidade percebeu uma falha no preço estipulado para carrinhos de limpeza. O edital oferecia R$ 20 mil por cada carrinho, mas o preço do produto no mercado era de cerca de R$ 418. Após reclamação do Observatório Social sobre o edital, a economia gerada com essa licitação foi de R$ 2 milhões para a prefeitura.

“Só monitorando os editais de licitação, apontando problemas e pedindo que a administração pública corrigisse esses problemas, apenas nos três últimos anos, os cerca de 120 Observatórios Sociais que existem no Brasil ajudaram a economizar R$ 1,5 bilhão e queremos fechar este ano com essa cifra em R$ 2 bilhões”, disse Paulo de Oliveira Abrahão, auditor-fiscal da Receita Federal e diretor-presidente do Observatório Social do Brasil em São Paulo. “Esse é um dinheiro que seria desviado, desperdiçado e que deixou de ser desviado ou desperdiçado para ser colocado, quem sabe, de uma forma mais correta”.

“O futuro do combate à corrupção passa por todos os cidadãos. Quando o cidadão se conscientizar que o dinheiro público não é do prefeito, do governador ou do deputado, mas dele, e que ele tem sim o direito e dever de controlar como esse dinheiro é gasto, aí sim ele vai combater a corrupção e minimizar o desperdício de dinheiro, a falta de planejamento e o desvio de dinheiro”, destacou
Abrahão.

Cuidando do meu bairro
Uma ferramenta de busca chamada Cuidando do Meu Bairro foi desenvolvida pelo Colaboratório de Desenvolvimento e Participação da Universidade de São Paulo (Colab/USP) para ajudar o cidadão a fiscalizar as despesas programadas no orçamento da capital paulista. A plataforma apresenta os gastos públicos e os identifica por região, com atualização do status de cada despesa em tempo real, permitindo ao cidadão comum acompanhar a execução orçamentária do município.

“O objetivo foi trazer as informações da execução orçamentária de uma maneira que as pessoas pudessem entender e interpretar essas informações. Essas informações foram colocadas dentro de um mapa da cidade, georreferenciado, com uma lista de cores do status em que se encontra: se está empenhado ou liquidado. Todo mundo sabe mexer em redes sociais, então por que não entrar em uma ferramenta como essa e cuidar de algo tão básico como a sua escola, a merenda ou a reforma de sua escola?”, disse a coordenadora do projeto e diretora do Observatório Social do Brasil em São Paulo, Leonilda dos Santos Silva.

Segundo ela, a ferramenta “puxa” as informações orçamentárias diariamente dos órgãos oficiais. Por meio dela, o cidadão paulistano poderá ver o que aconteceu com determinada obra, por exemplo, e até fazer perguntas sobre o seu andamento. “Dentro da ferramenta, se não estiverem muito claras [as informações], o cidadão poderá usar da Transparência Passiva. Ele pode fazer perguntas, que serão registradas no site. A resposta também ficará registrada no site. Quem encaminhará ao órgão público é o Observatório”, explicou.

“O cidadão tem que saber. Nós, como sociedade, temos que entender que aquilo que é público é nosso. É nosso dinheiro. Não temos como mudar a situação de pagar imposto, temos que pagar. Mas em gastar mal [nosso dinheiro dos impostos], podemos interferir”, disse Leonilda. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm