Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Marun insinua que imprensa paga por vazamentos

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, voltou a criticar nesta terça (8) a atuação do Poder Judiciário e defendeu que seja encerrado o inquérito dos portos, no qual o presidente Michel Temer é investigado por supostamente favorecer a empresa Rodrimar por meio de decreto.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Marun questionou a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso de negar o pedido da defesa do presidente para arquivar o inquérito. Para ele, o processo está “completamente contaminado” devido ao “vazamento seletivo” de informações para a imprensa. E insinuou que órgãos da imprensa poderiam estar pagando para receber os dados do inquérito e publicar denúncias contra Temer.

“Esse inquérito dos portos deveria ser encerrado, porque é fonte permanente de vazamentos, e vazamento é crime. Se um cidadão é receptador de produto de crime, ele é preso. Existem órgãos da imprensa que parecem que são receptadores de crime, do crime de vazamento, e isso não é sequer investigado com mais atenção. Tem que se ter cuidado em relação a isso. Quem é que me garante que não estão pagando, que estão chegando nos órgãos de imprensa mediante remuneração financeira?”, disse Marun.

O ministro reiterou que não descarta nenhuma hipótese sobre os vazamentos e exigiu que seja aberta uma investigação. Marun também desafiou que se apresente provas de que o decreto dos portos tenha sido editado por Temer para favorecer empresas.

Marun disse que o Congresso deve ser respeitado na sua prerrogativa de legislar e que os outros poderes devem obedecer o que é aprovado e promulgado no Parlamento. Para o ministro, um juiz de primeira instância impedir a nomeação de um ministro indicado por Temer e o ministro Barroso pedir a quebra do sigilo bancário do presidente são exemplos de “operadores do Judiciário” que, em sua opinião, descumprem a lei.

“O Judiciário é formado em sua grande maioria por gente de bom senso e gente que sabe as limitações de seu poder. Todavia, é uma realidade que existem membros desses poderes que entendem que não têm a obrigação de seguir o que foi aqui [no Parlamento] aprovado e promulgado. Essa é uma situação em relação a qual eu entendo que a Câmara dos Deputados deve reagir e se posicionar”, defendeu Marun.

Sobre a pauta de votações na Câmara, o ministro reafirmou que as prioridades são os projetos econômicos que tratam da privatização da Eletrobras; do cadastro positivo; da regulamentação da duplicata eletrônica e o da reoneração.

O ministro participou de sessão solene no plenário da Câmara dos Deputados em homenagem aos 15 anos do Centro de Estudos e Debates Estratégicos da Câmara dos Deputados (Cedes) representando o presidente Michel Temer, que ocupou a presidência da Câmara quando o centro de estudos da Casa foi fundado. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm