Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

CPI ouve responsáveis por fabricar e transportar pílula do câncer


A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Fosfoetanolamina, da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), que investiga se houve falhas na pesquisa que levou à proibição da chamada pílula do câncer, ouviu na quarta (6) mais três pessoas.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Nas audiências, os deputados têm ouvido pessoas que participaram de todo o processo da pesquisa, desde a síntese da substância no laboratório PDT-Pharma, o encapsulamento na Fundação para o Remédio Popular (Furp), o transporte até o Instituto do Câncer do estado de São Paulo (Icesp) e a distribuição da pílula aos pacientes de câncer submetidos ao estudo.

Participaram da audiência desta quarta-feira o diretor da PDT-Pharma, Sergio Perussi; o chefe de transporte da Furp, Célio Joaquim Paes; e o farmacêutico Gidel Soares, também da fundação. Mais três pessoas haviam sido convocadas, mas, segundo o presidente da CPI, deputado Roberto Massafera (PSDB), alegaram estar em viagem a trabalho e não compareceram.

Primeiro a falar, Perussi, do laboratório PDT-Pharma, negou em seu depoimento que tenha havido erros ou manipulações na entrega da fosfoetanolamina à Fundação para o Remédio Popular. “Durante o transporte da PDT-Pharma até a Furp não [houve falhas] porque ele era feito diretamente por mim. Eu, como diretor, tinha responsabilidade muito grande com a segurança do produto. Entreguei os três lotes diretamente à Furp. Então, nesse processo, nada aconteceu”, afirmou. “Minha visão dentro do processo é que ele transcorreu dentro da normalidade. O que aconteceu depois que entregamos à Furp eu já não posso dizer nada”, acrescentou.

Em seguida, o chefe de transporte da Furp, Célio Joaquim Paes, disse aos deputados que recebeu a fosfoetanolamina sintetizada na PDT-Pharma e encaminhou a substância encapsulada para o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), onde foi feita a pesquisa. No total, segundo ele, foram feitas quatro viagens para transportar a substância: duas em 2016 e duas este ano.

O último a ser ouvido foi Gidel Soares, farmacêutico responsável da Furp, que falou sobre o problema na manipulação da substância e na dificuldade para que ela fosse encapsulada. Segundo ele, foi preciso acrescentar uma substância inerte à fosfoetanolamina, mas garantiu que o componente não tem impacto no efeito do produto.

“Como usamos máquinas automáticas, em função da característica do composto, a máquina não conseguiu fazer o envase [da fosfoetanolamina pura]. Ela grudava em todos os componentes da máquina. Então, normalmente, como todos os produtos do mercado, a gente adiciona algum componente para auxiliar nesse envase. Normalmente [esse componente] não [altera a substância]. A quantidade é muito pequena. Colocamos o mínimo possível para evitar a aderência no equipamento e outra para facilitar o escoamento do pó”, explicou. “Tudo foi controlado, acompanhado. Tem o sistema de qualidade que aprova e acompanha todo o processo. Em fase alguma teria havido qualquer irregularidade”, acrescentou.

Avaliação
Para o presidente da CPI, os depoimentos colhidos até agora não apontaram falhas na pesquisa. “Estamos rastreando. Até hoje chegamos na Furp. Daqui para a frente vamos para o Icesp rastrear o que os pacientes tomaram, se o que eles tomaram estava correto. Estamos seguindo o caminho para verificar se o protocolo de pesquisa da síntese da fosfoetanolamina foi cumprido”, disse Massafera.

O relator da CPI, Ricardo Madalena (PR), disse que os depoimentos trouxeram informações preocupantes, sem especificar quais, e afirmou que irá apontar eventuais problemas na pesquisa em seu relatório final. “Estamos colhendo informações para poder fazer o relatório com imparcialidade, com prudência, com transparência e com responsabilidade. Muitas coisas que foram ditas aqui são temerárias”.

“Não estamos aqui para dizer se a pilula funciona ou não funciona. Nós estamos aqui para apurar se o protocolo da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] foi cumprido, se a determinação daquilo que foi combinado entre os auditores e a equipe do Icesp foi cumprido, se não houve cerceamento. É isso que estamos apurando”, acrescentou.

Histórico
Sintetizada há mais de 20 anos, a fosfoetanolamina foi estudada pelo professor aposentado Gilberto Orivaldo Chierice quando ele era ligado ao Grupo de Química Analítica e Tecnologia de Polímeros da USP, campus de São Carlos. Algumas pessoas passaram a usar as cápsulas contendo a substância, produzidas pelo professor, como medicamento contra o câncer.

A pílula gerou polêmica no país. Ela vinha sendo distribuída a pacientes oncológicos mesmo sem ter sido testada e comprovada por testes clínicos e sem registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A distribuição foi proibida e diversas pessoas começaram a entrar na Justiça pedindo acesso à substância. Testes clínicos em humanos então começaram a ser realizados em São Paulo para testar a eficácia da droga.

Os testes foram conduzidos pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, com acompanhamento de Chierice. Em março deste ano, o Icesp concluiu pela falta de comprovação da eficácia da substância no combate ao câncer. Segundo a pesquisa, de 73 pacientes com tumores sólidos avançados tratados com a pílula do câncer, apenas um obteve resposta parcial com uso da fosfoetanolamina. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm