Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Samarco amplia período de layoff de cerca de 800 empregados


A mineradora Samarco informou na quinta (6) que prorrogou por mais três meses o período de layoff (suspensão temporária do contrato de trabalho) de cerca de 800 funcionários que estavam parados desde o início de junho e deveriam retornar as suas funções em agosto. Agora, o layoff vai durar até 31 de outubro.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

De acordo com a Samarco, a decisão é parte do esforço para manter os postos de trabalho, já que a mineradora está há um ano e oito meses sem produzir depois que teve as atividades suspensas em decorrência da tragédia de Mariana (MG), em novembro de 2015, quando uma de suas barragens se rompeu e liberou no ambiente mais de 60 milhões de metros cúbicos de rejeitos. Houve devastação da vegetação nativa, poluição da Bacia do Rio Doce e destruição de comunidades. Dezenove pessoas morreram. O episódio é considerado a maior tragédia ambiental do país.

Atualmente, a Samarco tem cerca de 1,8 mil empregados, divididos entre duas unidades operacionais: uma na cidade mineira de Mariana e outra em Anchieta, no Espírito Santo. A implantação do layoff foi negociada com sindicatos dos trabalhadores e tinha previsão inicial de durar dois meses, prorrogáveis por mais três.

No layoff, o contrato de trabalho e o pagamento do salário são suspensos. No entanto, a empresa precisa oferecer aos funcionários afastados treinamentos de requalificação, e os empregados têm direito a receber uma bolsa paga pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). A Samarco paga uma ajuda de custo complementar até atingir o valor do salário líquido de cada empregado afastado e manteve benefícios como o plano de saúde e o vale-alimentação.

Além de layoffs, depois da tragédia de Mariana, a mineradora já concedeu duas licenças remuneradas e um período de férias coletivas aos empregados. Em julho do ano passado, a Samarco também apresentou um Programa de Demissão Voluntária (PDV). No total, 925 empregados aderiram ao PDV e 153 foram demitidos por iniciativa da mineradora com direito às vantagens oferecidas no programa.

Retomada incerta
A ampliação do período de layoff ocorre diante da incerteza sobre a retomada das operações da Samarco. No fim do ano passado, a mineradora chegou a anunciar que esperava retomar suas atividades no segundo semestre deste ano. No entanto, devido a um impasse com a prefeitura de Santa Bárbara (MG), a empresa não apresenta mais nenhuma previsão para reiniciar as operações.

Em um processo que se arrastava desde o início do ano, o município mineiro decidiu na semana passada negar à Samarco a emissão da carta de conformidade, documento necessário para que a empresa solicite à Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais a liberação das licenças ambientais que estão suspensas desde a tragédia.

A carta de conformidade deve atestar que as estruturas da empresa estão de acordo com a legislação municipal de uso e ocupação do solo e deve ser entregue pelas prefeituras de todas as cidades mineiras envolvidas na cadeia de produção. O município de Santa Bárbara é o único que não liberou o documento. Embora não exista efetiva produção da Samarco na cidade, a empresa faz captação e bombeamento de água em um de seus distritos. As estruturas que existem no local não foram afetadas pela tragédia.

Em documento assinado na última sexta-feira (30), o secretário do Meio Ambiente de Santa Bárbara, Juliano Xavier, disse que as estruturas da mineradora no distrito são incompatíveis com a legislação municipal “tendo em vista os impactos negativos ao meio ambiente e a ausência de soluções capazes de afastar ou atenuar tais impactos”.

Histórico
O impasse em torno da carta de conformidade de Santa Bárbara teve início quando o município começou a cobrar da mineradora a entrega de estudos ambientais sobre mudanças na vazão e no curso d’água do Rio Conceição, onde ocorre a captação. Segundo a prefeitura, a retomada das atividades poderia provocar impactos ambientais. Uma das possibilidades que chegou a ser cogitada pelas partes como medida mitigadora foi um projeto voltado para o tratamento do esgoto.

Em fevereiro, no entanto, a Samarco ajuizou uma ação no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) contra o município, alegando que a tragédia de 2015 não causou nenhum impacto nas estruturas e assim não haveria motivos para a recusa da entrega de uma nova carta de conformidade similar à que estava em vigor desde 2009. A empresa também argumentou que a avaliação dos impactos ambientais seria de responsabilidade do governo estadual.

O desembargador Raimundo Messias Dias acatou o pedido da Samarco e deu prazo de 10 dias para que Santa Bárbara emitisse um parecer sobre a conformidade das estruturas. No entanto, o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu a decisão.

A indefinição também provocou o descontentamento das prefeituras dos municípios diretamente dependentes da geração econômica da Samarco. Os prefeitos de Mariana (MG), Duarte Júnior, e de Anchieta (ES), Fabricio Petri (PMDB), chegaram a criticar publicamente a postura da prefeitura de Santa Bárbara. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm