Banner Águas de Pará de Minas   Banner Fapam

MPF recorre de decisão que rejeitou denúncia contra legistas acusados de fraude

mpf

O Ministério Público Federal entrou com recurso pedindo que o Tribunal Regional Federal revise a decisão da 9ª Vara Federal de São Paulo que rejeitou denúncia da Procuradoria da República contra os médicos legistas aposentados Harry Shibata, ex-diretor do Instituto Médico Legal (IML), Abeylard de Queiroz Orsini e José Gonçalves Dias, acusados de falsidade ideológica por terem fraudado, em 1976, o laudo da morte do dirigente do PCdoB, Pedro Pomar, uma das três vítimas fatais da Chacina da Lapa.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

O juiz Silvio César Arouck Gemaque, responsável pela rejeição da denúncia, reconheceu que a morte do dirigente do PC do B e as fraudes realizadas no IML para ocultar os verdadeiros autores do crime podem ser caracterizadas como “crimes contra a humanidade” e que há possibilidade de punição dos crimes indicados na denúncia, mas que o Supremo Tribunal Federal, ao não revisar a Lei de Anistia, ao julgar a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 153, em 2010, o deixa sem alternativa senão rejeitar a denúncia.

“Ainda que, em dissonância com o que tem sido decidido no âmbito dos Tribunais Internacionais, não há como não garantir o cumprimento das decisões tomadas pela Suprema Corte”, disse o juiz. Ele afirmou, na decisão, que o fato de os acusados terem idade elevada deixa a Justiça sem tempo para responsabilizá-los penalmente.

Na avaliação do responsável pelo caso e autor do recurso, o procurador da República Andrey Borges de Mendonça, a decisão foi correta, mas a validação da anistia está errada, porque essa lei não é um documento jurídico válido perante a Corte Interamericana de Direitos Humanos, à qual o Brasil é vinculado. “A anistia brasileira é um típico exemplo de autoanistia, criada justamente para beneficiar aqueles que se encontravam no poder. Tal forma de anistia é claramente reprovada pelo Direito Internacional, que não vê nela qualquer valor”.

Segundo ele, o Congresso Nacional não possuía, em 1979, quando a lei foi aprovada, qualquer autonomia e independência, e que seria pueril crer que havia, àquela altura, uma oposição firme que pudesse se opor à aprovação da Lei de Anistia.

“Os opositores estavam, em sua imensa maioria, mortos, presos ou exilados. Foi, assim, criada apenas para privilegiar e beneficiar os que se encontravam no poder, buscando exatamente atingir o escopo ainda persistente: não haver a punição dos crimes praticados pelos agentes estatais, quando estes saíssem do poder. E até a presente data, infelizmente, estão plenamente atingindo seus objetivos.”

Chacina da Lapa
De acordo com o MPF, os dirigentes do PCdoB Pedro Ventura Felipe de Araújo Pomar (63 anos na época) e Ângelo Arroyo, (48 anos) foram mortos a tiros, sem possibilidade de defesa, após um cerco policial com 40 homens do Doi-Codi do II Exército e da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. O fato ocorreu na manhã de 16 de dezembro de 1976, em uma casa na Lapa. A casa era utilizada para reuniões restritas a membros do partido que ainda eram clandestinos.

“O MPF ainda não conseguiu identificar agentes ainda vivos, que participaram da ação, para denunciá-los pelo assassinato, mas foi possível identificar as fraudes cometidas no laudo necroscópico de Pomar pelo então diretor do IML de São Paulo, Harry Shibata, e pelos legistas aposentados Abeylard de Queiroz Orsini e José Gonçalves Dias. Por isso, os três foram denunciados por falsidade ideológica”, disse o MPF.

O MPF informou ainda que continua insistindo em todas as denúncias oferecidas à Justiça, desde 2012. Segundo o ministério, crimes cometidos pelos agentes da repressão não são passíveis de anistia e não prescrevem por terem sido cometidos em contexto de ataque sistemático à população civil brasileira.

Para o MPF, o objetivo era manter o poder, tomado ilegalmente pelos militares em 1964; porque o Brasil foi condenado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos, no caso Gomes Lund. E, ainda, porque o direito penal internacional prevê que crimes contra a humanidade não estão sujeitos a regras domésticas de anistia e prescrição.

“Esta foi a quarta denúncia do MPF contra Harry Shibata, ex-diretor do IML de São Paulo, pelo crime de falsidade ideológica, envolvendo a produção de laudos necroscópicos inverídicos”, disse o MPF. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm