Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Brasil cria unidades de conservação e favorece o ecoturismo


O Ministério de Meio Ambiente conseguiu destravar nos últimos anos projetos de criação de unidades de conservação que duplicaram as áreas protegidas, incluindo as marinhas. Segundo o secretário de Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente, José Pedro de Oliveira Costa, entre 2013 e 2016 ocorreu uma estagnação no número de projetos, impactando uma curva que vinha crescendo desde 2011.

O panorama mudou entre 2016 e 2018, quando foram criadas 20 unidades. Ele destacou o arquipélago dos Alcatrazes e a reserva Mico Leão Dourado, além da ampliação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. “Isso foi fruto de um esforço coletivo e que contou com a colaboração da sociedade também”, disse o secretário, durante o IX Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC), que ocorre em Florianópolis, e é organizado pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.

O secretário admitiu que, apesar de a definição das áreas protegidas ser feita com profunda avaliação técnica, são necessárias ações políticas para os projetos irem adiante. “Criar uma área protegida federal é uma coisa que depende de vários fatores e o principal deles é a vontade de fazer. Se não houver uma vontade férrea, realmente transformar em uma causa e várias pessoas fazerem acontecer, não sai, porque a resistência é grande”, disse Oliveira Costa.

Ecoturismo e renda
O professor do Departamento de Ecologia do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Brasília (UnB), Bráulio Dias, observou que o Brasil precisa aumentar esforços para abrir áreas protegidas para a visitação, mas ponderou que é necessário o mínimo de infraestrutura e de informação de qualidade. “É um caminho que não tem volta e a gente precisa avançar cada vez mais”.

Dias que já ocupou o cargo de secretário de Biodiversidade do MMA, lembrou ainda que a responsabilidade pelo meio ambiente é de todos embora os recursos nem sempre sejam no volume compatível. “O orçamento da área ambiental junto com a área de cultura sempre são os mais prejudicados”, disse.

A definição de recursos esteve também no centro da palestra do jornalista André Trigueiro que também é professor da Coppe UFRJ e da PUC-Rio. Ele contou que o ecoturismo é a área do setor que mais cresce no mundo e, por isso, é preciso estimar o valor dos serviços ambientais conforme fez o economista indiano Pavan Sukhdev, considerado o pai da economia verde, que desenvolveu um estudo independente junto com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), chamado de TEEB, Economia de Ecossistemas e da Biodiversidade. No documento a intenção é estipular o quanto esses serviços podem render com diversas atividades indiretas.

O jornalista lançou a proposta para que o Ministério da Fazenda desenvolva uma política tributária e fiscal que estimule a nova economia. “Uma política que precisa ser inteligente e antenada com o século XXI. Vou premiar o que não é descartável. Vou premiar o que é reutilizável. O Brasil tem unidades de conservação que pode ser monetizadas sem prejuízo à resiliência”, concluiu, acrescentando que outros países, que não têm as mesmas condições atrativas para o ecoturismo que o Brasil tem já fizeram isso. “Outros países conseguem transformar isso em um bom negócio. Não podemos ficar no gueto dos ‘eco chatos biodesagradáveis’. No século XXI a estratégia de luta é outra. Vamos falar o idioma deles”.

A chefe da Reserva Biológica Atol das Rocas, Maurizélia de Brito Silva, disse que a unidade de conservação se transformou ao longo dos 27 anos em que trabalha no local. No início tinha que enfrentar a pesca predatória, mas a situação mudou devido ao clima. “Os pescadores não se adaptaram ao ambiente insalubre, de sol e sal. As empresas de pesca desistiram de ocupar o atol, que tempo depois foi transformado em unidade de conservação”.

Hoje segundo Maurizélia, além da equipe do ICMBio, o atol recebe pesquisadores em uma área que continua sendo ampliada. “Ano passado nos aumentamos a área de proteção colocando no polígono de Rpocas uma zona de proteção da vida silvestre”. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm