Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Rodrigo Maia diz que Rio precisa de coordenação federal

Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse na sexta (4) que o Rio de Janeiro depende da coordenação federal para lidar com problemas fiscais e com a situação da segurança, que, afirmou, “caminhava para a convulsão social”.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

“Infelizmente, hoje, a gente tem que dizer a verdade. O Rio de Janeiro precisa, sim, da coordenação federal. Nunca defendi a intervenção federal, mas a coordenação, tanto no ponto de vista fiscal como no ponto de vista de segurança, é fundamental a participação do governo federal”, disse Maia, que enumerou a ajuda do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Regime de Recuperação Fiscal e a presença das Forças Armadas no Rio.

“Se existisse um instrumento de falência, talvez o Rio tivesse que declarar falência. É um déficit que, com a situação atual, é quase impagável”, disse.

O presidente da Câmara assistiu, ao lado de outros parlamentares, a uma apresentação do ministro da Defesa, Raul Jungmann, e de oficiais das Forças Armadas sobre ações desenvolvidas nas fronteiras como parte do enfrentamento ao crime organizado no país. A reunião foi na Escola Superior de Guerra, na Urca, zona sul da cidade. Maia defendeu que as fronteiras são fundamentais no enfrentamento à violência na cidade.

Drogas e armas
“A droga não é produzida aqui e a arma também não. Se não cuidarmos da fronteira, nunca teremos sucesso no combate ao crime organizado no Rio de Janeiro”, opinou.

Maia contou ainda que uma pauta de discussão sobre a legislação que abrange a segurança pública está sendo construída para envolver secretários de segurança, administração penitenciária e justiça na Câmara. Ele ponderou, no entanto, que leis não podem resolver a situação do Rio no curto prazo.

“O determinante no Rio de Janeiro hoje, infelizmente, não são as leis. Se fossem as leis, era mais fácil. Temos quase uma convulsão social, e isso a lei não vai resolver no curto prazo. A lei ajuda, a lei constrói em conjunto uma estrutura para que os órgãos de segurança possam atuar de forma mais efetiva”, explicou.

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, avaliou que a primeira semana da atuação das Forças Armadas no Rio foi de reconhecimento e comparou a presença ostensiva dos militares nas ruas a uma “anestesia”, que combate o desconforto apenas momentaneamente.

Ele explicou que o foco da operação envolve ações de inteligência para reduzir a capacidade operacional do crime organizado e destacou que a presença constante das Forças Armadas nas ruas não é possível, nem adequada.

“Não é possível mantê-las nesse nível [de ostensividade] em uma cidade do tamanho do Rio de Janeiro permanentemente. Não há recursos para isso e tampouco isso vai reduzir a capacidade operacional do crime. Não é isso. O objetivo número um é desarmar o Rio de Janeiro, e, sobretudo, os fuzis”.

Jungmann disse que as Forças Armadas atuarão dando apoio às polícias sempre que for preciso, mas não coordenarão as ações: “A liderança dessas operações não é das Forças Armadas. É da inteligência, das polícias” finalizou. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm