Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Indiciado no caso Odebrecht tem prisão solicitada pelo Ministério Público da República Dominicana


O Ministério Público da República Dominicana solicitou, na sexta (4), 18 meses de prisão preventiva, como medida de coerção, para o ex-funcionário Bernardo Castellanos, o único dos 14 indicados no país pelos subornos da Odebrecht que ainda não tinha se apresentado à Justiça. As informações são da agência EFE.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Castellanos foi detido na quarta-feira (2) no Aeroporto Internacional Las Américas (AILA), no leste da capital dominicana, em sua chegada em um voo procedente do Panamá.

O acusado, contra quem pesava uma ordem de captura internacional, não tinha se apresentado perante a Justiça devido a compromissos profissionais na Guatemala, disse nesta sexta-feira seu advogado, Marino Elsevyf, na audiência a cargo do juiz Francisco Ortega, da Suprema Corte de Justiça (SCJ).

Castellanos trabalhou como diretor técnico da Empresa de Geração Hidroelétrica Dominicana (Egehid) entre 2000 e 2004 e está sendo acusado de receber subornos para a adjudicação (ato judicial que dá a alguém a posse e a propriedade de determinados bens) pela Odebrecht do projeto de construção da represa Pinalito.

O advogado do acusado disse, no entanto, que este “não era legislador, não era ministro” e não tinha capacidade de decisão, uma vez que era “simplesmente um técnico”. Ele assegurou que seu cliente não fugirá do processo, razão pela qual solicitou ao juiz que não aceite a solicitação de prisão preventiva apresentada pelo Ministério Público, que disse, por sua vez, que Castellanos “representa o tipo ideal de perigo de fuga”.

Ortega é o mesmo magistrado responsável pelo caso dos outros envolvidos na distribuição dos US$ 92 milhões que a construtora brasileira afirmou ter pagado na República Dominicana para garantir a execução de projetos de infraestruturas entre 2001 e 2014.

Pelo caso Odebrecht foram indiciadas mais 13 pessoas, entre elas o agora ex-ministro de Indústria e Comércio, Temístocles Montás, e o presidente do Partido Revolucionário Moderno (PRM, principal da oposição), Andrés Bautista, em liberdade condicional desde 8 de julho após um mês de prisão preventiva.

Na prisão só permanecem o empresário Angel Rondón, assinalado pelo Ministério Público como a pessoa que recebeu e distribuiu os subornos, e o ex-ministro de Obras Públicas, Víctor Díaz Rúa, um importante dirigente do governista Partido da Liberdade Dominicana (PLD). Com Agência Brasil/Agência EFE

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm