Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Veterinária alerta sobre incidência de esporotricose

Sarah Torres

O envolvimento do poder público no controle da esporotricose, com destinação de recursos financeiros e a correta informação da população, é a única maneira de se evitar a proliferação da doença. O alerta foi feito pela veterinária Carla Sássi, que falou sobre o tema, na quinta-feira (29), na audiência da Comissão Extraordinária de Proteção dos Animais da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

A esporotricose é causada pelo fungo Sporothrix schenckii, que está presente no ambiente, em terras de jardins, por exemplo. Por isso, há maior incidência em jardineiros ou lavradores, que adoecem a partir de ferimentos com material contaminado. Os gatos, que habitualmente afiam as garras e enterram as fezes, também podem acumular o fungo sob as unhas. E, no caso de cruzamentos ou briga por território, podem se contaminar.

Humanos – A transmissão da zoonose também pode se dar de gato para pessoa, quando, por exemplo, alguém tenta tratar um animal e é arranhado. Carla Sássi enfatizou que mesmo o gato saudável pode ter o fungo sob as unhas. E, quando os felinos apresentam lesões causadas pela esporotricose, elas comumente são confundidas com maus tratos, o que faz com que a pessoa não adote os cuidados necessários.

Na maioria dos casos, a doença atinge a pele, causando lesões, às vezes em sequência, como um colar de nódulos. O diagnóstico é difícil, diante do desconhecimento dos profissionais de saúde, e a esporotricose pode levar à incapacitação temporária para o trabalho. Diante desse cenário, de acordo com a veterinária, somente a correta informação e o investimento em controle populacional podem surtir efeito.

Doença é endêmica no Rio de Janeiro
Carla Sássi chama a atenção para o desenvolvimento da esporotricose na capital fluminense e alerta que metrópoles como Belo Horizonte devem agir imediatamente para evitar situação semelhante. “O Rio de Janeiro tem o maior número de casos no mundo, mas não se preocupou quando a doença começou”, reforçou.

A cidade teve 12 casos entre 1987 e 1997, mas viu a doença se espalhar a partir de 1998, chegando a determinar sua notificação compulsória em 2013. Em 2015, o Rio de Janeiro registrou 3.253 felinos doentes, número que saltou para 13.536 no ano passado, alta de mais de 300%. Há, ainda, 580 casos humanos. “Isso gerou abandono de animais, o que piora o quadro”, observou a veterinária.

Minas – Em Minas, segundo ela, a única cidade com dados da doença é Conselheiro Lafaiete (Região Central do Estado), onde oito pessoas estão em tratamento. Carla coordena uma ação de prevenção à doença no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da prefeitura e contabiliza 23 felinos diagnosticados em 2016, contra 27 apenas nos cinco primeiros meses deste ano, com alto índice de óbitos.

A veterinária reforçou que a esporotricose é tratável, mas que muitos cogitam a eutanásia nos gatos de rua porque a adoção, após o tratamento, é complicada. “Temos que informar que há possibilidade de reincidência”, justificou. Ela recomenda o uso de luvas nos contatos com os felinos e de água sanitária para lavar os locais destinados aos animais, além de consulta frequente ao veterinário.

Outra medida, a ser adotada pelos governos, é a castração em massa, para controle populacional, e a notificação compulsória dos casos. O deputado Glaycon Franco (PV), que também é médico, completou que os serviços de zoonoses e de saúde têm que trabalhar juntos. “A doença envolve questões importantes de saúde pública e tem diagnóstico difícil porque se assemelha a outras patologias. O CCZ de Lafaiete dá exemplo para Minas”, afirmou.

A culpa não é do gato
Participantes da audiência enfatizaram a necessidade de uma correta abordagem da esporotricose para se evitar o massacre de animais, como ocorreu recentemente com macacos, em função do aumento de casos de febre amarela. “Não se pode alardear a doença e colocar a população contra os animais”, afirmou Adriana Araújo, do Movimento Mineiro pelos Direitos Animais, lembrando também o episódio das capivaras e da febre maculosa.

Ela enfatizou que o homem degrada os habitats dos animais silvestres, que, cada vez mais, se aproximam dos centros urbanos. Por isso, na sua avaliação, cuidar desses animais significa cuidar dos humanos. “A prevenção e a informação precisam prevalecer”, afirmou. Ativistas de Lagoa Santa (RMBH) participaram da reunião e relataram um caso da doença em uma mulher na cidade. O gato foi sacrificado pela família.

O deputado Noraldino Júnior (PSC), presidente da comissão e autor do requerimento para a audiência, reiterou a necessidade de se acabar com “mitos” envolvendo a esporotricose. E defendeu uma política de controle dos animais como ocorre na Holanda, onde não há abandono e, logo, zoonoses não prosperam.

O parlamentar afirmou que, no Brasil, várias prefeituras utilizam o extermínio de animais para o controle de zoonoses, muitas vezes, sem os exames para diagnóstico. “Isso é crime previsto na legislação”, reforçou. O deputado Duarte Bechir (PSD) reiterou que a comissão veio preencher uma lacuna na defesa dos animais na ALMG e que esse trabalho tem despertado grande respeito em todo o Estado. Com Agência ALMG

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm