Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Número de presos em cadeia do interior do Ceará supera em três vezes o de vagas

Wilson Dias/Agência Brasil

A Cadeia Pública de Quixadá, a 170 quilômetros de Fortaleza, vive uma situação que é comum a grande parte das unidades prisionais do Ceará: a superlotação. No entanto, onde deveriam estar 80 internos, estão mais que o triplo: 248. A situação foi denunciada pela Defensoria Pública do Ceará, que fez inspeção no local e verificou outras situações degradantes.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

“Esse número é totalmente incompatível com o espaço. Se cada interno for colocado um ao lado do outro, não cabe todo mundo”, diz o defensor público Júlio César Matias Lobo. Para agravar a situação, o local é insalubre, com pouca ventilação, e vários presos relatam sintomas de doenças como tuberculose e sífilis. A Defensoria constatou ainda que há somente dois banhos de sol por semana.

Lobo diz que a Cadeia Pública de Quixadá foi construída originalmente no século 19 e que, recentemente, passou por uma reforma. A superlotação fez com que até as salas de aula fossem ocupadas por presos. O defensor explica que esta foi uma atitude tomada pela direção da unidade para separar internos que fazem parte de facções criminosas diferentes e evitar conflitos.

A separação dos detentos segundo o tipo de crime ou a fase do processo a que respondem, por outro lado, não ocorre no local. Segundo Lobo, as celas abrigam tanto quem já cumpre pena quanto presos provisórios, que são a maioria.

“Não queremos que a pessoa que cometeu um crime saia impune, mas que seja dado a ela o mínimo de condição para que cumpra sua pena de forma digna, em local apropriado e que possa trabalhar. Muitos dos presos da cadeia reclamam da falta do que fazer e de uma atividade que possa ser usada para redução da pena.”

A partir desta sexta-feira (2), os dois defensores que atuam em Quixadá vão iniciar uma força-tarefa para analisar a situação de todos os presos e verificar situações dos processos. Lobo estima que todo o trabalho leve até dois meses para ser concluído, pois, além dos casos em que presos respondem por mais de um crime, a cadeia pública ainda recebe pessoas de mais três municípios.

Presos condenados
Lobo defende que o governo do estado construa um presídio em Quixadá, a maior cidade do Sertão Central, para receber os presos já condenados. “O correto seria que esses presos estivessem em um presídio em Itaitinga [onde ficam os complexos penitenciários do estado e distante 142 quilômetros de Quixadá], mas sempre que houvesse audiência, eles deveriam ser deslocados de volta para Quixadá, o que gera um alto gasto para o estado”, disse.

Para o defensor público, as forças de segurança estão cuidando de um barril de pólvora, pois logo não será possível receber novos presos na cadeia. “Junto com o presídio, é preciso buscar a ressocialização dessas pessoas, para prepará-los para o retorno social. Da forma como está, não é possível”.

A Agência Brasil contatou a Secretaria da Justiça do Ceará (Sejus), mas não obteve retorno. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm