Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Dia de Iemanjá é comemorado no Rio

Devotos e religiosos celebram nesta sexta (2) Iemanjá, a orixá associada à água e ao mar, nas religiões afro, padroeira dos pescadores do Brasil. Na cidade do Rio de Janeiro, a divindade recebeu homenagens aos pés da estátua na Praia dos Amores, na zona oeste. E pela sexta vez também foi realizada uma manifestação contra a intolerância religiosa. Em 2012, a imagem de Iemanjá, que fica no local, foi destruída por vândalos.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

A celebração começou com uma carreata partindo do terreiro Ile Omo Ejá, na zona norte, em direção à praia. Um debate sobre a proteção aos oceanos, com ambientalistas, foi promovido na praça. “Na roda de conversa Conservando o Lar da Rainha do Mar falamos, por exemplo, sobre a epidemia dos plásticos nos oceanos”, disse um dos organizadores, Ismael Evangelista, ogã do candomblé e líder do Ofarere, movimento pela manutenção das tradições de matriz africana, de combate ao racismo e à intolerância.

Evangelista lembrou que em 2 de fevereiro é comemorado também o Dia Mundial das Águas Úmidas. A data foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU), para colocar em evidência a situação crítica de deltas, recifes de corais e de mangues, que sofrem com o aquecimento global, embora devessem ser protegidos, pela capacidade de reduzir impacto de ressacas, ciclones e furacões e consideradas zonas naturais de amortecimento de catástrofes.

“O 2 de fevereiro é o dia de Iemanjá no candomblé e o nosso objetivo é ampliar a tradição, que já acontece em Salvador, em Vitória, no Rio Grande do Sul e até em cidades que não têm mar, no interior, para que mais pessoas participem e valorizem as tradições populares”, disse Evangelista. “Iemanjá é a grande mãe do mar, cuida dos pescadores, dos surfistas, todos que vão ao mar têm essa referência”, acrescentou.

Desde a primeira edição do evento, na Barra da Tijuca, há seis anos, o ogã disse que a atividade é também uma forma de protestar contra os numerosos casos de intolerância religiosa no estado. Em 2017, um caso por semana de ataques a pessoas ou a templos foi registrado pela Secretaria de Estado de Direitos Humanos.

Outro objetivo da festa é cobrar que o evento passe a constar do calendário cultural da cidade. “Estamos buscando diálogo com a Riotur para consolidar essa atividade, trazendo o turismo para essa localidade, valorizando o comércio e a comunidade”, disse o religioso. Procurada por e-mail e telefone, a empresa municipal de turismo, não comentou o pedido.

A cerimônia religiosa do Xirê será de tarde, com cânticos das nações Ketu, Jeje, Angola e da Umbanda. O tradicional barco com presentes à orixá sai por volta das 17h e será levado pela Associação de Pescadores Livres e Amigos da Barra da Tijuca e Adjacências. A organização foi a que colocou ali a primeira estátua da orixá, protetora dos pescadores, na década de 1970.O presente deve incluir flores, perfumes, frutas, em balaios enfeitados com panos nas cores branco e azul. Os religiosos pedem que material seja biodegradável.

A confraternização termina com apresentações de capoeira e bandas de música. A expectativa é receber entre 100 e 200 pessoas, ao longo de todo dia, a maioria, da zona oeste e de municípios da Baixada Fluminense, que concentram terreiros de religiões afro no estado. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm