Banner Águas de Pará de Minas   Banner Fapam

Com petróleo em alta, países produtores comemoram acordo para diminuir produção

petr

Os estados-membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) comemoram o acordo fechado nesta quarta (30), na Áustria, durante a 171ª reunião da entidade, classificando-o como um “compromisso com um mercado petrolífero estável e equilibrado, com preços a níveis adequados tanto para os produtores como para os consumidores”.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

O acordo entrará em vigor em 1º de janeiro de 2017 e, conforme acertado, os membros da Opep reduzirão a extração diária de petróleo, conjuntamente, em 1,2 milhão de barris. O pacto será renovável a cada seis meses. Embora os participantes não falem explicitamente, a redução da oferta do produto é uma forma de forçar a alta global dos preços da commodity.

Atualmente, os países-membros da Opep são: Argélia, Angola, Equador, Irã, Iraque, Kuwait, Líbia, Nigéria, Gabão, Indonésia, Catar, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Venezuela. A necessidade do apoio de países não-membros levou a organização a aprovar a criação de instâncias oficiais de contato com representantes de países que não pertencem ao grupo, como o Brasil, onde o acordo para redução na produção de petróleo ganhou pouca atenção até o momento.

Procurada pela Agência Brasil, a Petrobras disse apenas que não mudará sua estratégia de produção, prevista no Plano de Negócios e Gestão. E o Ministério de Minas e Energia se limitou a informar que o governo brasileiro não interfere no ritmo de produção das empresas petrolíferas instaladas no país. Em outubro, o secretário nacional do Petróleo, Márcio Félix, representou o Brasil como convidado de uma reunião da Opep e disse que o país era contrário à diminuição da produção.

Produtores comentam
Em outros países, principalmente entre os principais produtores, o assunto foi alvo de comentários. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, saudou a redução na extração de petróleo como “o nascimento de uma nova geopolítica petrolífera e econômica”.

O ministro da Energia, Indústria e Recursos Minerais da Arábia Saudita, Khalid Al-Falih, disse estar satisfeito e confirmou que seu país, segundo maior produtor mundial de petróleo, começará a reduzir a extração no começo de 2017, por tempo indeterminado. Em sua conta no Twitter, Al-Falih disse que a Rússia e outros países produtores que não integram a Opep apoiaram o acordo.

Em nota oficial, o ministro de Energia russo, Alexander Novak, confirmou que seu país deixará de produzir 300 mil barris diários ainda no primeiro semestre de 2017. A iniciativa voluntária, segundo Novak, é a contribuição russa para a concretização dos planos dos demais produtores, que esperam limitar a produção diária ao máximo de 32,5 milhões de barris/dia. Este patamar já tinha sido estabelecido em setembro deste ano pelos membros da Opep, no chamado Acordo de Argel.

“Este acordo é um passo muito importante para a indústria de petróleo global, destinado a restabelecer o saudável equilíbrio entre oferta e demanda e manter a atração de investimento da indústria no longo prazo”, declarou Novak.

Já o governo iraniano celebrou, em nota, a decisão dos membros da Opep de reduzir a produção [conjunta], “sendo que a participação iraniana totalizará 3,9 milhões de barris diários”. Em contínua expansão, graças ao fim das sanções contra o seu programa nuclear, a produção petrolífera iraniana já havia superado a marca de 3,8 milhões de barris diários em junho deste ano. Na nota, o governo iraniano reforça a expectativa de que o preço do barril volte a superar os US$ 50.

O presidente do Equador, Rafael Correa, usou o Twitter para comentar a decisão e lembrou que o país voltou a ser admitido no grupo dos maiores produtores de petróleo em 2007. Ele comemorou a alta dos preços do barril observados logo após a confirmação do anúncio.

Criada em 1960, a Opep coordena a política petrolífera dos países membros, orientando a oferta de petróleo no mercado internacional, defendendo os interesses dos produtores sobre os preços. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm