Banner Águas de Pará de Minas   Prefeitura de Pará de Minas

Seca força operação de 62 usinas termelétricas em todo o país


Com os reservatórios das usinas hidrelétricas em baixa devido ao período de seca, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) já mantém em operação 62 usinas termelétricas em todo o país. No mês de julho, as chuvas ficaram restritas à região Sul, principalmente ao Rio Grande do Sul. No Sudeste, ocorreu chuva apenas no litoral.

Quando chove menos, e os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios, é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia no país. Com isso, os valores médios semanais do custo de operação de todos os subsistemas do Sistema Interligado Nacional (SIN) passaram de R$ 603,83 megawatts/hora (MWh) para R$ 763,77/MWh.

De acordo com a última atualização do ONS, o reservatório da usina de Furnas, o principal do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste está com 27,90% de volume útil. O subsistema, que reúne 19 reservatórios, opera com 34,43% de energia armazenada. Já o Subsistema Sul opera com 49,57%; o Nordeste com 35,07%; e o Norte com 67,25%.

De acordo com o Programa Mensal de Operação de agosto, do ONS, para a semana de 28 de julho a 3 de agosto deve ocorrer chuva fraca a moderada na bacia do Rio Jacuí e precipitação de intensidade fraca no Rio Uruguai, ambas do Subsistema Sul. “A previsão mensal para agosto indica a ocorrência de afluências [volume de água] abaixo da média histórica para todos os subsistemas”, diz o documento.

Energia mais cara
Com o acionamento das termelétricas, o consumidor acaba pagando mais pela energia. No último dia 27, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu manter a bandeira tarifária vermelha, patamar 2, para o mês de agosto. Ela é acionada nos meses em que o valor do Custo Variável Unitário (CVU) da última usina a ser despachada for igual ou superior a R$ 610/MWh. Nesta semana, já são 18 termelétricas nessa situação.

A bandeira vermelha, patamar 2, define o custo de R$ 5 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O sistema de bandeiras tarifárias foi criado em 2015 como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas, que é mais cara do que a de hidrelétricas. A cor da bandeira é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) e indica o custo da energia em função das condições de geração.

Segundo a Aneel, a bandeira tarifária não é um custo extra na conta de luz, mas uma forma diferente de apresentar um valor que já está na conta de energia, mas que geralmente passa despercebido. Com Agência Brasil

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm