Banner Águas de Pará de Minas   Banner Facebook

Líderes comunitários dizem que Exército na rua não resolve problema da violência

Tânia Rêgo; Agência Brasil

O reforço das Forças Armadas à segurança pública no estado do Rio não representa, necessariamente, solução para os problemas das comunidades pobres, que passa por mais investimentos econômicos e sociais. A opinião é de líderes comunitários que participaram, nesta segunda-feira (31), de audiência pública sobre o atual cenário da política de segurança e sua compatibilização com a proteção dos cidadãos, promovida pelo Ministério Público.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

“Isso não resolve o nosso problema. Não é o que a comunidade e a sociedade querem. Queremos o respeito de ir e vir. O Exército na rua não vai adiantar nada. Só vai aumentar a violência. As crianças vão pensar que estão morando no Vietnã. O governo falou que ia botar o social, o emprego, a cultura e o esporte, mas só botou polícia dentro da comunidade. É só tiro, porrada e bomba”, reclamou Marquinho Balão, presidente da Associação de Moradores da Grota, no Complexo do Alemão.

Também para o presidente da Associação de Moradores da Mangueira, Washington Fortunato, não é a presença de militares nas favelas que vai solucionar problemas de segurança pública. Segundo ele, a solução passa pelo maior diálogo com a comunidade.

“O que resolveria no Complexo da Mangueira é investimento no social. Estamos vivendo uma guerra civil. O Poder Público está tirando o nosso direito de ir e vir. A militarização não é a solução. Não vejo isso com Exército, com Força Nacional. Vejo solução no diálogo com as comunidades. Hoje nós precisamos é das obras do PAC [Programa de Aceleração do Crescimento], de habitação e saneamento, que não vêm”, disse Washington.

A presidente da Associação de Moradores da Comunidade Faz Quem Quer, em Rocha Miranda, Luciane Costa dos Santos, disse que o objetivo dos moradores não é receber contingentes de militares, mas sim investimentos sociais.

“A gente quer cursos profissionalizantes para nossos jovens e adolescentes, porque aí teríamos como ocupar o tempo deles. A gente não sofre a violência bruta, mas sim a violência do abandono e do descaso do Poder Público. Precisamos é de projetos sociais. Conhecemos um a um na comunidade e podemos trazer os jovens para eles”, disse Luciane.

Polícia Militar
O porta-voz da Polícia Militar, major Ivan Blaz, destacou a importância de haver espaços de diálogo entre polícias e lideranças comunitárias, como na audiência pública promovida pelo MP, mas ressaltou que a política de polícia de proximidade, por meio das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) não pode ser descontinuada.

“A solução é complexa, mas é preciso falar sobre entrada de armas no estado e do acesso dos jovens a esse armamento. Precisamos de políticas públicas que atinjam a faixa etária de 14 a 22 anos. Polícia de proximidade não deve jamais ser abandonada. É o que todos queremos, uma polícia cidadã. Enquanto projeto, as UPPs precisam ser revisadas, carecem de investimentos, mas, de forma alguma, podem ser vilanizadas. A essência do projeto está correta”, disse Blaz.

Para a promotora Andrea Amin, integrante do Grupo de Atuação Especial em Segurança Pública (Gaesp), que mediou a audiência pública, é possível diminuir a letalidade das ações policiais. Ela disse que o MP estará atento a eventuais excessos cometidos durante as operações federais, reportando os desvios ao Ministério Público Militar (MPM), que é a instância apropriada.

“Eu não vejo a militarização como uma solução única. A questão é complexa. É um apoio que foi dada à Secretaria Estadual de Segurança e na verdade é uma aplicação do Plano Nacional de Segurança. Vamos jogar um olhar especial sobre operações de quaisquer forças policiais. Se houver necessidade, vamos entrar em contato com o Ministério Público Militar, porque há forças militares [envolvidas]”, disse a promotora. Com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm